Deportação dos intelectuais armênios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Deportação dos intelectuais armênios
Parte do Genocídio armênio

Alguns dos intelectuais armênios que foram deportados e mortos em 1915:

Em cima: Krikor Zohrab, Daniel Varoujan, Rupen Zartarian, Ardashes Harutiunian, Siamanto
Embaixo: Ruben Sevak, Dikran Chökürian, Diran Kelekian, Tlgadintsi, e Erukhan

Local: Império Otomano Império Otomano
Contexto: Primeira Guerra Mundial
Guerra de independência turca
Genocídio armênio
Período: 24 de abril de 1915
Vítimas: Intelectuais armênios
Tipo de agressão: Deportação, Assassinato em massa
Número de vítimas: pelo menos 2 345

A deportação de intelectuais armênios, às vezes conhecida como Domingo Vermelho (armênio ocidental: Կարմիր կիրակի Garmir giragi),[1] foi um evento que costuma ser considerado como o início do genocídio armênio. Nele, os líderes da comunidade armênia na capital otomana de Constantinopla, e, posteriormente, em outros locais, foram presos e enviados para dois centros de detenção perto de Ancara. A ordem foi dada pelo Ministro do Interior Talat Paxá, em 24 de abril de 1915. Naquela noite, a primeira onda de 235 a 270 intelectuais armênios de Constantinopla foram presos. Por fim, o número total de detenções e deportações atingiu os 2 345. Com a adoção da Lei Tehcir, em 29 de maio de 1915, esses detentos foram posteriormente realocados dentro do Império Otomano; a maioria deles foram, consequentemente, mortos. Cerca de oitenta, como Vrtanes Papazian e Komitas, sobreviveram.

O evento tem sido descrito pelos historiadores como um golpe de decapitação,[2][3] que tinha a intenção de privar a população armênia de liderança e de uma chance de resistência.[4] Para homenagear as vítimas do genocídio armênio, o dia 24 de abril é o Dia em Memória ao Genocídio Armênio. Utilizada pela primeira vez em 1919, nos quatro anos de aniversário dos eventos em Constantinopla, a data é geralmente considerada o dia em que o genocídio começou. O genocídio armênio desde então tem sido lembrado, anualmente, no mesmo dia, que tornou-se um feriado nacional na Arménia e na República de Artsaque e é lembrado pela diáspora armênia em todo o mundo.

Deportação

Original cópia das Instruções do Ministério do Interior, em 24 de abril de 1915

Detenção

O Ministro do Interior Otomano, Talaat Paxá deu a ordem de detenção, em 24 de abril de 1915. A operação começou às oito horas da noite.[5] Em Constantinopla, a ação foi liderada por Bedri Bey, o Chefe de Polícia da cidade de Constantinopla.[6] Na noite de 24 e 25 de abril de 1915, uma primeira onda de 235 270 líderes arménios  de Constantinopla, clérigos, médicos, editores, jornalistas, advogados, professores, políticos, e outros foram presos após uma instrução do Ministério do Interior.[7] As diferenças no número podem ser explicada pela incerteza da polícia pelos presos com mesmos nomes.

Houve mais deportações da capital. A primeira tarefa foi identificar os presos. Eles foram detidos por um dia em uma delegacia de polícia (turco-Otomano: Emniyeti Umumiye) e no Presídio Central. Uma segunda onda elevou os números de deportados para entre quinhentos e seiscentos.[7][8][9][10]

Até o final de agosto de 1915, cerca de 150 armênios com cidadania russa foram deportados de Constantinopla para centros de detenção.[11] Alguns dos detidos, incluindo o escritor Alexander Panossian, foram lançados no mesmo fim de semana antes de ser transferidos para Anatólia.[12] No total, estima-se que 2 345 arménios notáveis foram presos e no fim das contas deportados,[13][14] a maioria dos quais não eram nacionalistas, e não têm qualquer filiação política.[13]

Centros de detenção 

Após a prolongação da Lei Tehcir, em 29 de maio de 1915, armênios a esquerda dos dois centros de detenção foram deportados para a Síria otomana. A maioria dos presos foram transferidos do Presídio Central sobre Saray Burnu pelo navio n.° 67 da companhia Şirket para a estação de Haydarpaşa. Depois de esperar por dez horas, eles foram enviados para um comboio especial, na direção de Ancara no dia seguinte. O comboio consistiu em 220 armênios.[15] Um condutor de trem armênio detinha uma lista de nomes dos deportados. Ela foi entregue para o armênio Patriarca de Constantinopla, Zaven Der Yeghiayan, que imediatamente tentou, em vão, salvar quantos deportados fosse possível. O único embaixador estrangeiro que tentou ajudá-lo em seus esforços foi o embaixador dos Estados Unidos, Henry Morgenthau.[16] Depois de uma viagem de 20 horas, os deportados saíram em Sincanköy, (perto de Ancara) terça-feira, ao meio-dia. Na estação Ibrahim, o diretor do Presídio Central de Constantinopla, fez a triagem. Os deportados foram divididos em dois grupos.

Um grupo foi enviado para Çankırı (e Çorum entre Çankırı e Amásia) e o outro para Ayaş. Os separados para Ayaş eram transportados em carroças por um par de horas a mais. Quase todos eles foram mortos meses mais tardes, em valas perto de Ancara.[17] Apenas dez (ou treze)[6] dos deportados deste grupo receberam permissão para retornar à cidade de Constantinopla.[11] Um grupo de 20 dos presos em 24 de abril chegou a Çankırı em torno de 7 ou 8 de maio de 1915.[18] Cerca de 150 presos políticos foram detidos em Ayaş, e outros 150 intelectuais foram detidos em Çankırı.[19]

Corte marcial

Alguns notáveis, tais como o Dr. Nazaret Daghavarian e Sarkis Minassian foram removidos em 5 de maio da prisão em Ayaş, e levados sob escolta militar para Diyarbakır, juntamente com Harutiun Jangülian, Karekin Khajag, e Rupen Zartarian para comparecer perante um tribunal marcial. Eles foram, aparentemente, assassinados por grupos paramilitares patrocinados pelo estado liderado por Cherkes Ahmet, e os tenentes Halil e Nazım, em uma localidade chamada Karacaören pouco antes de chegar em Diyarbakır.[12] Marzbed, outro deportado, foi enviado para Kayseri para aparecer diante de uma corte marcial em 18 de maio de 1915.[20]

Os militantes responsáveis pelos assassinatos foram julgados e executados em Damasco por Djemal Pasha, em setembro de 1915; o incidente mais tarde tornou-se o assunto de uma investigação do Parlamento Otomano em 1916, liderada por Artin Boshgezenian, deputado de Aleppo. Após Marzbed ser solto pelo tribunal, ele trabalhou sob uma falsa identidade otomana para os alemães em Intilli, no túnel ferroviário de Amanus. Ele fugiu para Nusaybin, onde caiu de um cavalo e morreu pouco antes do armistício.[20]

Repercussão

Vários prisioneiros foram libertados com a ajuda de pessoas influentes que intervieram em seu nome.[21] Cinco deportados de Çankırı foram libertados após a intervenção do embaixador dos Estados Unidos, Henry Morgenthau.[6] No total, 12 deportados foram concedido permissão para retornar à cidade de Constantinopla, a partir de Çankırı.[11] Estes foram Komitas, Piuzant Kechian, Dr. Vahram Torkomian, Dr. Parsegh Dinanian, Haig Hojasarian, Nshan Kalfayan, Yervant Tolayan, Arã Kalenderian, Noyig Der-Stepanian, Vrtanes Papazian, Karnik Injijian, e Beylerian Jr.[11] Quatro deportados tiveram permissão para voltar de Cônia. Estes foram Apig Miubahejian, Atamian, Kherbekian, e Nosrigian.[11]

Os restantes foram deportados sob a proteção do governador do Vilayet de Ancara. Mazhar Bey desafiou as ordens de deportação do ministro do Interior Talat Paxá,[22] e no final de julho de 1915, foi substituído pelo membro da comissão central Atif Bey.[23]

Sobreviventes

Após o armistício de Mudros em 30 de outubro de 1918, vários sobreviventes intelectuais armênios voltaram para Constantinopla, que estava sob ocupação dos aliados. Eles começaram uma curta, mas intensa atividade literária que foi encerrada pela vitória turca na guerra de independência em 1923. Aqueles que escreveram memórias e livros sobre suas histórias durante a deportação incluem Grigoris Balakian, Aram Andonian, Yervant Odian, Teotig e Mikayel Shamtanchyan.[24] Outros sobreviventes, como Komitas, desenvolveram casos graves de estresse pós-traumático. Komitas foi submetido a 20 anos de tratamento em manicômios até sua morte, em 1935.[25]

Dia da lembrança

Uma exposição dedicada aos deportados intelectuais no museu do genocídio, em Yerevan.

A data oficial de lembrança do genocídio armênio é 24 de abril, dia que marcou o início da deportação dos intelectuais arménios. A primeira cerimônia, organizada por um grupo de sobreviventes do genocídio armênio, foi realizada em Istambul, em 1919, na igreja armênia da Santa Trindade.[26] Muitas figuras proeminentes da comunidade armênia participaram da homenagem. Após sua primeira realização, a data tornou-se o dia anual de lembrança do genocídio armênio.[26]

Referências

  1. Pronounced Karmir kiraki in Eastern Armenian.
  2. Blinka, David S. (2008). Re-creating Armenia: America and the memory of the Armenian genocide. Madison: University of Wisconsin Press. p. 31. In what scholars commonly refer to as the decapitation strike on April 24, 1915... 
  3. Bloxham, Donald (2005). The Great Game of Genocide: Imperialism, Nationalism, and the Destruction of the Ottoman Armenians. [S.l.]: Oxford University Press. p. 70. ...the decapitation of the Armenian nation with the series of mass arrests that began on 24 April... 
  4. Sahаkian, T. A. (2002). «Արևմտահայ մտավորականության սպանդի արտացոլումը հայ մամուլում 1915-1916 թթ. [The interpretation of the fact of extermination of the Armenian intelligentsia in the Armenian press in 1915-1916]». Lraber Hasarakakan Gitutyunneri (em arménio) (1): 89. Դրանով թուրքական կառավարությունը ձգտում էր արևմտահայությանը գլխատել, նրան զրկել ղեկավար ուժից, բողոքի հնարավորությունից: 
  5. Shirakian, Arshavir (1976). Կտակն էր Նահատակներուն [Gdagn er Nahadagnerin] [The legacy: Memoirs of an Armenian Patriot]. translated by Shirakian, Sonia. Boston: Hairenik Press. OCLC 4836363 
  6. a b c Ternon, Yves; Naim Bey (1989). Enquête sur la négation d'un génocide (em francês). Marseille: Éditions Parenthèses. p. 27. ISBN 978-2-86364-052-4. LCCN 90111181 
  7. a b Walker, Christopher J. (1997). «World War I and the Armenian Genocide». In: Hovannisian, Richard G. The Armenian People From Ancient to Modern Times. II: Foreign Dominion to Statehood: The Fifteenth Century to the Twentieth Century. [S.l.]: Palgrave Macmillan. p. 252. ISBN 978-0-333-61974-2. OCLC 59862523 
  8. Der Yeghiayan 2002, p. 63.
  9. Panossian, Razmik (2006). The Armenians. From Kings and Priests to Merchants and Commissars. New York: Columbia University Press. p. 237. ISBN 978-0-231-13926-7. LCCN 2006040206. OCLC 64084873 
  10. Bournoutian, George A. (2002). A Concise History of the Armenian People. Costa Mesa, California: Mazda. p. 272. ISBN 978-1-56859-141-4. LCCN 2002021898. OCLC 49331952 
  11. a b c d e Teotoros Lapçinciyan (Teotig): Ամէնուն Տարեցոյցը. Ժ-ԺԴ. Տարի. 1916–1920.
  12. a b Boghosian, Khachig (21 de abril de 2001). «My Arrest and Exile on April 24, 1915». Armenian Reporter 
  13. a b Dadrian, Vahakn N. (2003). The history of the Armenian genocide: ethnic conflict from the Balkans to Anatolia to the Caucasus 6th rev. ed. New York: Berghahn Books. p. 221. ISBN 1-57181-666-6 
  14. John Horne, ed. (2012). A companion to World War I 1. publ. ed. Chichester, U.K.: Wiley-Blackwell. p. 191. ISBN 1119968704 
  15. Nakashian, Avedis; Rouben Mamoulian Collection (Library of Congress) (1940). A Man Who Found A Country. New York: Thomas Y. Crowell. pp. 208–278. LCCN 40007723. OCLC 382971 
  16. Der Yeghiayan 2002, p. 58.
  17. Palak'ean, Grigoris (2002). Le Golgotha arménien: de Berlin à Deir-es-Zor (em francês). 1. La Ferté-sous-Jouarre: Le Cerle d'Écrits Caucasiens. pp. 95–102. ISBN 978-2-913564-08-4. OCLC 163168810 
  18. Shamtanchean, Mikʻayēl (2007) [1947]. Hay mtkʻin harkě egheṛnin [The Fatal Night. An Eyewitness Account of the Extermination of Armenian Intellectuals in 1915]. Col: Genocide library, vol. 2. Translated by Ishkhan Jinbashian. Studio City, California: H. and K. Majikian Publications. ISBN 978-0-9791289-9-8. LCCN 94964887. OCLC 326856085 
  19. Kévorkian 2006, p. 318.
  20. a b Palak'ean, Grigoris (2002). Le Golgotha arménien : de Berlin à Deir-es-Zor. 1. La Ferté-sous-Jouarre: Le Cerle d'Écrits Caucasiens. pp. 87–94. ISBN 978-2-913564-08-4. OCLC 163168810 
  21. Der Yeghiayan 2002, p. 66.
  22. «The Real Turkish Heroes of 1915». The Armenian Weekly. 29 de julho de 2013 
  23. Kevorkian, Raymond (3 de junho de 2008). «The Extermination of Ottoman Armenians by the Young Turk Regime (1915–1916)» (PDF). Online Encyclopedia of Mass Violence. p. 31 
  24. Odian, Yervant (2009). Krikor Beledian, ed. Accursed years : my exile and return from Der Zor, 1914–1919. London: Gomidas Institute. p. x. ISBN 1-903656-84-2 
  25. Karakashian, Meliné (24 de julho de 2013). «Did Gomidas 'Go Mad'? Writing a Book on Vartabed's Trauma». Armenian Weekly 
  26. a b «At the Origins of Commemoration: The 90th Anniversary Declaring April 24 as a Day of Mourning and Commemoration of the Armenian Genocide». Armenian Genocide Museum. 10 de março de 2009 

Notas

Ligações externas