USS Massachusetts (BB-2)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
USS Massachusetts
 Estados Unidos
Operador Marinha dos Estados Unidos
Fabricante William Cramp & Sons
Homônimo Massachusetts
Batimento de quilha 25 de junho de 1891
Lançamento 10 de junho de 1893
Comissionamento 10 de junho de 1896
Descomissionamento 8 de janeiro de 1906
Recomissionamento 2 de maio de 1910
Descomissionamento 23 de maio de 1914
Recomissionamento 9 de junho de 1917
Descomissionamento 31 de março de 1919
Número de registro BB-2
Destino Deliberadamente afundado
em 6 de janeiro de 1921
Características gerais (como construído[1][2][3])
Tipo de navio Couraçado pré-dreadnought
Classe Indiana
Deslocamento 11 876 t (carregado)
Maquinário 2 motores de tripla-expansão
4 caldeiras
Comprimento 107 m
Boca 21,1 m
Calado 8,2 m
Propulsão 2 hélices
- 9 000 cv (6 620 kW)
Velocidade 15 nós (28 km/h)
Armamento 4 canhões de 330 mm
8 canhões de 203 mm
4 canhões de 152 mm
12 canhões de 76 mm
20 canhões de 57 mm
6 canhões de 37 mm
4 tubos de torpedo de 450 mm
Blindagem Cinturão: 220 a 460 mm
Convés: 76 mm
Torres de artilharia: 380 mm
Torre de comando: 250 mm
Tripulação 473

O USS Massachusetts é um encouraçado da classe Indiana e o segundo navio da Marinha dos Estados Unidos comparável aos navios de guerra estrangeiros de seu tempo.

Autorizado em 1890 e comissionado seis anos depois, era um encouraçado de pequeno porte, embora possuísse blindagem e artilharia pesados. A classe de navios a que pertencia também foi pioneira no uso de uma bateria intermediária. Ele foi projetado para defesa costeira e, como resultado, seus decks não estavam a salvo de ondas altas em mar aberto.

Massachusetts serviu na Guerra Hispano-Americana como parte do Esquadrão Voador e participou dos bloqueios de Cienfuegos e Santiago de Cuba. Ele não participou da decisiva Batalha de Santiago de Cuba, depois de navegar para a Baía de Guantánamo, na noite anterior, para reabastecer carvão. Após a guerra, serviu no Esquadrão do Atlântico Norte, realizando manobras de treinamento e prática de tiro. Durante este período, sofreu uma explosão em uma torre de canhão de 8 polegadas (203 milímetros), matando nove tripulantes, e encalhou duas vezes, exigindo vários meses de reparo nas duas vezes. Ele foi desativado em 1906 para modernização.

Embora considerado obsoleto em 1910, o encouraçado foi recomissionado e usado para cruzeiros anuais para aspirantes durante os verões, e também colocado na frota de reserva, até seu descomissionamento em 1914. Em 1917, ele foi recomissionado para servir como navio de treinamento para o pessoal de artilharia durante a Primeira Guerra Mundial. Ele foi desativado pela última vez em março de 1919, sob o nome de Coast Battleship Number 2, antecipando que seu nome poderia ser reutilizado para o USS Massachusetts (BB-54). Em 1921, foi afundado em águas rasas no Golfo do México, perto de Pensacola, e usado como alvo para artilharia pesada. O naufrágio nunca foi demolido e, em 1956, foi declarado propriedade do Estado da Flórida. Desde 1993, o naufrágio é uma Reserva Arqueológica Subaquática da Flórida e está incluído no Registro Nacional de Lugares Históricos, servindo como recife artificial e local de mergulho.

Design e construção

Um dos dois motores de expansão tripla do Massachusetts

Massachusetts foi construído a partir de uma versão modificada de um projeto elaborado por um conselho de política em 1889 para um encouraçado de curto alcance. O projeto original fazia parte de um ambicioso plano de construção naval para construir 33 encouraçados e 167 navios menores. O Congresso dos Estados Unidos viu o plano como uma tentativa de acabar com a política estadunidense de isolacionismo e não o aprovou, mas um ano depois aprovou o financiamento de três encouraçados de defesa costeira, que se tornariam o Massachusetts e seus navios irmãos Indiana e Oregon.[4] Os navios estavam limitados à defesa costeira devido à sua resistência moderada, deslocamento relativamente pequeno e borda livre baixa, o que limitava a capacidade de navegação.[5] No entanto, eles estavam fortemente armados e blindados; Conway's All The World's Fighting Ships descreve seu design como "tentando demais com um deslocamento muito limitado".[6]

A construção dos navios foi autorizada em 30 de junho de 1890, e o contrato para Massachusetts - não incluindo canhões e blindagem - foi concedido à William Cramp & Sons, da Filadélfia, que se ofereceu para construí-lo por 3 020 000 de dólares americanos.[7] O custo total do navio foi quase o dobro, aproximadamente seis milhões.[8] O contrato especificava que o navio deveria ser construído em três anos, mas a entrega lenta de placas de blindagem e canhões causou um atraso.[9] Sua quilha foi batida em 25 de junho de 1891,[8] e ele foi lançado dois anos depois, em 10 de junho de 1893. A cerimônia de lançamento contou com a presença de milhares de pessoas, incluindo o secretário da Marinha Hilary A. Herbert [en] e o comandante George Dewey.[10] Seu teste preliminar no mar não ocorreu até março de 1896, devido aos atrasos nas entregas das placas de blindagem e armamentos. Nesse ponto, Massachusetts estava quase completo,[9] e seu teste oficial foi realizado um mês depois.[11]

Seu armamento e blindagem fizeram de Massachusetts o segundo encouraçado americano capaz de se equiparar a suas contrapartes estrangeiras. Isso foi possível devido a seus quatro canhões de 330 milímetros em sua bateria principal, além de canhões de bateria secundária com 203 milímetros de diâmetro, inexistentes em navios deste tipo, e uma blindagem que variava de 76 milímetros no convés até 460 milímetros em seu cinturão.[12]

Histórico de serviço

Início de carreira

Massachusetts foi comissionado em 10 de junho de 1896, com o capitão Frederick Rodgers no comando. Ele fez seu cruzeiro inicial entre agosto e novembro de 1896, seguido por uma revisão no New York Navy Yard. Em fevereiro de 1897, ele fez uma curta viagem para Charleston, Carolina do Sul. O encouraçado partiu de Nova York, novamente em maio, para Boston, onde foi realizada uma celebração em sua homenagem. Nos dez meses seguintes, o encouraçado participou de manobras de treinamento com o Esquadrão do Atlântico Norte, na costa da Flórida, e visitou vários portos importantes na costa leste americana. Em 27 de março de 1898, ela foi enviada para Hampton Roads [en], Virgínia, para se juntar ao Esquadrão Voador, sob o comando do comodoro Winfield Scott Schley [en], para o bloqueio de Cuba.[13]

Guerra Hispano-Americana

Pintura do USS Massachusetts

Após a eclosão da Guerra Hispano-Americana, o Esquadrão Voador partiu para Key West. Lá, Schley se encontrou com o contra-almirante Sampson, que havia acabado de voltar do bombardeio de San Juan, Porto Rico. Eles discutiram as possíveis localizações da esquadra espanhola, sob o comando do almirante Cervera, e Schley foi enviado ao porto de Cienfuegos, Cuba, para procurar o almirante e sua frota.[14] Schley chegou ao largo de Cienfuegos, em 22 de maio, e levou vários dias para concluir que os navios de Cervera não estavam no porto. A esquadra então seguiu para Santiago de Cuba, o único outro porto na costa sul de Cuba grande o suficiente para os navios espanhóis,[15] chegando após vários atrasos em 29 de maio.[16] Na chegada, o cruzador Cristóbal Colón era visível do lado de fora da entrada do porto, confirmando que a frota espanhola estava fundeada ali.[17] Schley bloqueou o porto e informou Sampson, que chegou com seu próprio esquadrão em 1º de junho[18] e assumiu o comando geral.[19]

Durante o mês seguinte, Massachusetts participou do bloqueio de Santiago de Cuba, bombardeando ocasionalmente os fortes do porto.[13] Na noite de 2 para 3 de julho, ele e os dois cruzadores New Orleans e Newark [en] deixaram o bloqueio para carregar carvão na Baía de Guantánamo, Cuba.[20] Isso fez com que ele perdesse a Batalha de Santiago de Cuba, em 3 de julho, na qual a frota espanhola tentou romper o bloqueio e foi completamente destruída.[21] No dia seguinte, o encouraçado voltou a Santiago de Cuba, onde ele e Texas dispararam contra o já desarmado Reina Mercedes [en], que estava sendo afundado pelos espanhóis, na tentativa de bloquear o canal de entrada do porto.[22] Massachusetts foi então enviado para Porto Rico, para apoiar a ocupação americana até que ele voltou para Nova York, em 1º de agosto, chegando em 20 de agosto.[13]

Pós-Guerra Hispano-Americana

Depois de uma rápida revisão na doca seca, Massachusetts estava tentando deixar o porto de Nova York, em 10 de dezembro de 1898, quando atingiu um recife, inundando cinco de seus compartimentos dianteiros. Foi obrigado a regressar ao estaleiro naval, onde foi novamente colocado em doca seca para reparações que demoraram cerca de três meses.[23][24] Por um ano , Massachusetts serviu com o Esquadrão do Atlântico Norte, visitando várias cidades na costa atlântica.[13] Em maio de 1900, ele e Indiana foram colocados na reserva, pois a marinha tinha uma escassez de oficiais e precisava colocar as novas classes Kearsarge e Illinois em comissão.[25] Os encouraçados foram reativados no mês seguinte como uma experiência do quão rápido isso poderia ser alcançado,[26] e Massachusetts voltou ao serviço com o Esquadrão do Atlântico Norte.[13]

Em março de 1901, o encouraçado encalhou novamente, desta vez no porto de Pensacola, Flórida,[27] mas o navio se recuperou rapidamente e conseguiu continuar sua viagem.[28] Um acidente mais grave ocorreu durante a prática de tiro ao alvo em janeiro de 1903, quando uma explosão em uma de suas torres de 203 milímetros matou nove tripulantes. Foram as primeiras fatalidades a bordo de um encouraçado dos Estados Unidos desde o naufrágio do Maine, em 1898.[29] Outro acidente aconteceu em agosto daquele ano, quando Massachusetts encalhou em uma rocha na Baía de Frenchman [en], Maine. O navio foi seriamente danificado e teve que ser reparado em doca seca.[30]

Em dezembro de 1904, outro acidente letal ocorreu a bordo do Massachusetts: três homens morreram e vários outros ficaram gravemente queimados quando uma junta quebrada fez com que o vapor enchesse a sala da caldeira.[31] Em 8 de janeiro de 1906, o encouraçado foi desativado e sua tripulação foi transferida para seu navio irmão Indiana, que completou uma modernização de três anos. Massachusetts recebeu as mesmas atualizações posteriormente,[32] incluindo doze canhões de 76 milímetros de calibre único para substituir os canhões de 152 milímetros e a maioria dos canhões mais leves, novas caldeiras Babcock & Wilcox, contrapesos para equilibrar suas torres principais, um mastro de treliça e mecanismos elétricos de deslocamento para suas torres.[33]

Em 2 de maio de 1910, Massachusetts foi colocado em comissão reduzida para que pudesse ser usado para o cruzeiro anual de verão dos aspirantes da Academia Naval.[13] Apesar de suas modernizações, o encouraçado era agora considerado "obsoleto e sem valor, mesmo para a segunda linha de defesa" pelo secretário da Marinha George von Lengerke Meyer.[34] Ele viu pouco uso, além dos cruzeiros de verão, e foi transferido para a Reserva Naval da Marinha dos Estados Unidos quando esta foi formada em 1912.[35] Após uma rápida viagem a Nova York, para uma revisão presidencial da frota, em outubro de 1912, o encouraçado voltou para a Filadélfia e lá permaneceu até ser desativado em 23 de maio de 1914.[13]

Primeira Guerra Mundial

Massachusetts sendo afundado em Pensacola, Flórida

Depois que os Estados Unidos entraram na Primeira Guerra Mundial, Massachusetts foi recomissionado pela última vez, em 9 de junho de 1917. Ele foi usado por tripulações da Reserva Naval para treinamento de artilharia em Block Island Sound, até 27 de maio de 1918. O encouraçado foi então redesignado para servir como um navio de tiro ao alvo de canhões pesados perto da baía de Chesapeake, até o final da Primeira Guerra Mundial. Massachusetts voltou para a Filadélfia em 16 de fevereiro de 1919. Ele foi desativado pela última vez em 31 de março de 1919, depois de ser renomeado "Coast Battleship Number 2" dois dias antes, para que seu nome pudesse ser reutilizado para o primeiro navio de guerra da classe South Dakota, Massachusetts (BB-54).[13]

Naufrágio

O naufrágio de Massachusetts fora de Pensacola, em 8 de abril de 2002

Massachusetts foi retirado do Registro Naval [en] em 22 de novembro de 1920 e emprestado ao Departamento de Guerra dos Estados Unidos, então usado como navio-alvo para artilharia.[13] Quando a Marinha dos EUA adotou números de casco naquele ano, Massachusetts recebeu retroativamente o número "BB-2".[36] Ele foi afundado em águas rasas no Golfo do México, ao largo de Pensacola, em 6 de janeiro de 1921, e bombardeado pelas baterias costeiras de Fort Pickens [en] e pela artilharia ferroviária. Em 20 de fevereiro de 1925, o Departamento de Guerra devolveu seus destroços à Marinha dos Estados Unidos, que o ofereceu como sucata, mas nenhuma oferta aceitável foi recebida.[13]

Eventualmente, Massachusetts foi declarado propriedade do Estado da Flórida pela Suprema Corte da Flórida [en]. Em 10 de junho de 1993 - o centenário de seu lançamento - o local se tornou a quarta Reserva Arqueológica Subaquática da Flórida. Em 2001, o naufrágio também foi adicionado ao Registro Nacional de Lugares Históricos, e ainda serve como recife artificial e ponto de mergulho.[37]

Referências

Bibliografia

Impressos

Dicionário de navios de combate americanos

  • «Indiana I». Dicionário de navios de combate americanos. Consultado em 5 de dezembro de 2022 
  • «Massachusetts III (BB-2)». Dicionário de navios de combate americanos. Consultado em 5 de dezembro de 2022 

The New York Times

Outros

Ligações externas